7 de jun de 2009

UMA BUSCA INÚTIL

James Kidd, um minerador de cobre, de 70 anos, desapareceu nas montanhas do Estado do Arizona, EUA, em 9 de novembro de 1949. Vários anos mais tarde, após ele ter sido declarado legalmente morto, foram encontrados seu testamento escrito a lápis e centenas de milhares de dólares em dinheiro e em ações. No testamento, Kidd determinou que seu dinheiro fosse usado em pesquisas para encontrar "uma prova científica de que a alma humana deixa o corpo físico após a morte".
Pouco depois, mais de cem supostos pesquisadores e cientistas candidataram-se a receber o dinheiro. Após meses de audiências e centenas de alegações que sugeriam a existência de uma alma invisível, o juiz por fim autorizou que o dinheiro fosse entregue a duas respeitáveis organizações de pesquisa. Mais de meio século depois, esses pesquisadores ainda não encontraram nenhuma "prova científica de que a alma humana deixa o corpo físico após a morte".

0 comentários: